Emanuel Lasker, Capablanca, Deysi Cori, Sun Tzu e o segredo do Barcelona

Observação: sugere-se  ler a biografia de Lasker e Capablanca, antes da leitura deste artigo,nos respectivos links abaixo:

Se conheces os demais e te conheces a ti mesmo, nem em cem batalhas correrás perigo;  se não conheces os demais, porém te conheces a ti mesmo, perderás uma batalha e ganharás outra; se não a os demais nem te conheces a ti mesmo, correrás perigo em cada batalha. Sun Tzu – A Arte da Guerra.

Estou num táxi, em Salvador, lendo no Ipad, o artigo de Leontxo Garcia sobre Deysi Cori, o novo fenômeno peruano, no qual transcrevo abaixo.

Deyse Cori

Embora o xadrez,  a música e as matemáticas sejam as atividades que produzem mais crianças  prodígio, Deysi Cori, atual campeã do mundo sub 20 aos 18 anos, é um dos  maiores fenômenos produzidos pelo esporte mental nos últimos decênios: aos 16  foi campeã do mundo desta idade e subcampeã   sub 20. E a sua maturidade como pessoa sempre chamou a atenção: aos 12  anos, em sua primeira visita a Espanha, se perdeu no metrô de Madrid e saiu bem  sem ajuda. O mais assombroso é que o seu irmão, Jorge, é o atual campeão do  mundo sub 16. E tampouco é fácil explicar por que o Peru produz tantos  enxadristas brilhantes como Julio Granda, residente agora em Salamanca. No caso  dos Cori, é clara a aposta do colégio limenho Saco Oliveros pelo xadrez como  ferramenta educativa. Também podemos recorrer ao imperador Atahualpa, que  demonstrou aos seus captores espanhóis que jogava xadrez melhor do que eles, o  qual – diz a lenda – influenciou na sua condenação à morte por 13 votos contra  11. Continuar a ler “Emanuel Lasker, Capablanca, Deysi Cori, Sun Tzu e o segredo do Barcelona”

Quando o futebol se rendeu aos princípios do xadrez

A copa do mundo de 2010 foi um momento revolucionário nesta modalidade esportiva, pelo menos para algumas poucas seleções que aplicaram não se sabe se propositalmente, os princípios do jogo de xadrez em campo. Desde já, pode-se dizer que assim como o xadrez romântico de Morphy, Anderssen e Blackburne sucumbiu aos princípios fundamentais do jogo, descobertos em parte por Steinitz, na copa da África do Sul, o futebol se despediu do romantismo dos artistas do passado em detrimento do planejamento  estratégico-tático. Os craques continuaram a ter o seu papel fundamental com uma diferença: criando os seus  movimentos dentro de uma estratégia e  tática apurada, retirada basicamente do xadrez e refletida longamente antes das partidas e sem nenhuma concessão à improvisos fora do plano  estratégico.Assim ocorreu com a seleção da Espanha, com mais intensidade com a Holanda e principalmente com a seleção da Alemanha. Um exemplo que poderia ser retirado não só das partidas de Steinitz,mas principalmente das partidas de Lasker, ocorreu na partida Brasil versus Holanda. Nesta partida os dois craques holandeses juntaram forças contra Michel Bastos, ao observarem que Robinho não retornava para ajudar este lateral. O técnico brasileiro ou não percebeu ou demorou bastante para notar esta fina adequação tática dentro do plano estratégico holandês. Continuar a ler “Quando o futebol se rendeu aos princípios do xadrez”

Ser ou não ser?

Ser ou não ser

O filme “As Filhas de Marvin” com Meryl Streep e Diane Keaton coloca um problema interessante para o espectador: o que é, na verdade, desperdiçar a vida? O personagem de Diane Keaton arquiva os seus sonhos e projetos de vida para cuidar do pai, inválido numa cama e, paulatinamente, gasta a sua beleza a medida que “sacrifica-se” pelo genitor. Como é filme e não vida real, o espectador termina sendo ofuscado pelo brilho interior da personagem.

Continuar a ler “Ser ou não ser?”

O peso da decisão

Dentre as supostas virtudes que o jogo de xadrez propicia ao enxadrista, destaca-se o estímulo à decisão. A cada lance, o jogador é obrigado a fazer as escolhas e  arcar com o ônus dessas. Supõe-se que nenhuma obrigação é mais penosa ao espírito do ser humano do que o ato de decidir, pois envolve, não raras vezes, conseqüências muitas das quais desastrosas. A história está repleta de exemplos, não só do que pode causar a decisão errada, como também o efeito do seu oposto: a indecisão.

Continuar a ler “O peso da decisão”

Teatro em um ato – Xadrez

Como funciona a mente de um jugador de xadrez? Como trabalham juntas memória, experiência, análise e inspiração para gerar jogadas de xadrez? Estas perguntas têm sido um desafio para a ciência. Agora, um jovem e muito criativo investigador resolveu e nos dá uma vívida explicação, apresentada de maneira pouco comum: Alex Shternshain, com a ajuda de Atenas (deusa do conhecimento), Dionísio (deus do teatro) e Caissa (deusa do xadrez) escreveu um obra de teatro em um ato, que oferecemos traduzida para o português. No original em inglês, as personagens são todas masculinas, enquanto que na versão em português a maior parte é feminina. Coisas do idioma! Continuar a ler “Teatro em um ato – Xadrez”

Boris Spassky

por Armínio Santos

Quando pensamos em Spassky, inevitavelmente o associamos às suas derrotas para Fischer. No entanto, tendemos a esquecer o enxadrista singular, o direcionamento luminoso em posições complexas e o fato de que não se podia determinar exatamente um único estilo de seu jogo. Acrescente-se a isto uma calma impertubável e irritante para os seus adversários. Spassky, de acordo com Kasparov, poderia ter o seu xadrez classificado como universal, entendendo-se isto como a capacidade de jogar bem os variados tipos de posições. O seu resultado contra Kasparov é sugestivo. Ver partidas: Continuar a ler “Boris Spassky”

Robert James Fischer – Parte 1

por Armínio Santos

O Historiador Heródoto escreveu que Xerxes, rei dos Persas, durante a batalha de Salamina contra os gregos, ao perder vários navios, durante uma tormenta, no Estreito de Dardanelos, ordenou que o mar fosse açoitado em represália pela ousadia. Antes de partir para esta batalha, um nobre solicitou ao “Grande Rei” que poupasse o seu filho mais novo para que ele pudesse ter um auxílio na velhice. O rei aparentemente concordou e no dia seguinte convidou o nobre para uma refeição no seu suntuoso palácio. Depois de observar em silêncio o nobre comer as carnes que lhe eram servidas, perguntou-lhe se estas estavam saborosas. Diante do assentimento, Xerxes levantou uma tampa aonde estava a cabeça do filho servida ao pai. O rei tornou a perguntar-lhe: a carne estava saborosa? A resposta: Sim! Distanciado no tempo e no espaço a vaidade de Xerxes e o desprezo pelo resto dos mortais foi lembrada por alguns jornalistas durante o match que Fischer travou contra Spassiki, na Islândia em 1972. O jogador americano exigira e fora atendido pelo governo da Islândia que no seu percurso até a sala do evento, pelas ruas de Reikjavik, todos os semáforos estivessem da cor verde.

Todo filho criado sem pai se torna lobo! Fischer. Continuar a ler “Robert James Fischer – Parte 1”

Wilhelm Steinitz

Steinitz

Steinitz nasceu num gueto de Praga, numa família de pobres comerciantes sendo o nono de treze filhos. Os quatro seguintes morreram na infância. Aprendeu xadrez com o seu pai e na época que Morphy brilhava, Steinitz ganhava a vida como estudante em Viena, jogando xadrez apostado. Ao finalizar os estudos secundários, ingressou na Escola Politécnica de Viena para formar-se em engenharia. Em determinado ponto abandonou a escola e os planos de uma vida burguesa como engenheiro seguindo o chamado da deusa Caissa, para substituir Morphy que abandonara o xadrez desesperado de amor. De pronto se converteu no mais forte jogador vienense. Em 1862, a Sociedade Enxadrística de Viena recebeu um convite para que um de seus jogadores participasse do II Torneio Internacional de Londres e esta enviou Steinitz, então com 26 anos. O torneio foi vencido por Adolf Anderssen que qualificou a partida Steinitz versus Mongrédien como a mais brilhante do torneio. Nas palavras de Anderssen, a combinação de Steinitz lembrou a sua famosa partida, alcunhada como “a imortal”. "Las partidas consideradas brillantes en recientes torneos internacionales no son rivales para ésta", escribió Chigorin.

Continuar a ler “Wilhelm Steinitz”

Harry Nelson Pillsbury

Autor: Armínio Santos

“Eu só procuro um único título”! Pillsbury.

Harry Nelson Pillsbury

O xadrez é um jogo mortal! O fio condutor que liga o xadrez à tragédia, numa perfeita simetria do que ocorre no tabuleiro, não é o da tragédia tal como entendiam os gregos, no qual o homem assinalado pelos deuses se tornava impotente diante do destino inexorável, mas sim entendida, no puro conceito shakesperiano, como a somatória dos atos irrefletidos dos seres humanos, que no tabuleiro os fazem sucumbir ao xeque-mate e na vida podem levá-los à morte ou à loucura. Este foi o caminho seguido pelo americano  Harry Nelson Pillsbury, morto aos 34 anos, o único enxadrista que poderia ter tomado o título de Emanuel Lasker, antes do advento de Capablanca. Os seus resultados contra Lasker sustentam este ponto de vista: 5 a 5 e quatro empates. Foi o melhor resultado contra Lasker conseguido por qualquer jogador, antes de 1914.

Continuar a ler “Harry Nelson Pillsbury”

“O que chamais de acaso…”

Nada mais é do que a providência em ação!". Para o desconhecido Igor Ivanov, representante da Repúlblica do Uzbequistão, nas Espartaquíadas de Moscou, em 1977, o diagrama abaixo significou bem mais do que uma simples partida de xadrez, representou a sua liberdade.

Karpov

Partida de Ivanov x Karpov

Igor Ivanov

Continuar a ler ““O que chamais de acaso…””